Ana Saldanha

Ana Saldanha nasceu no Porto, em 1959. Tem uma licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto e fez um mestrado em Literatura Inglesa e um doutoramento sobre a obra de Rudyard Kipling e Teoria da Tradução no Reino Unido. Entre as obras que traduziu destacam-se Longo Caminho para a Liberdade, a autobiografia de Nelson Mandela (Campo das Letras), Uma História da Leitura, de Alberto Manguel (Presença), Quebrar o Feitiço: A Religião como Fenómeno Natural, de Daniel C. Dennett (Esfera do Caos), Até ao Fim: Destruição e derrota da Alemanha de Hitler 1944-1945, de Ian Kershaw (Dom Quixote) e Jesus o Bom e Cristo o Patife, de Philip Pullman (Teorema).

Escreveu cerca de três dezenas de livros para crianças e jovens, dos quais se destacam Três Semanas com a Avó (Verbo, menção honrosa do Prémio Adolfo Simões Muller), Uma Questão de Cor (Edinter; Caminho. Um dos dez finalistas do Prémio Unesco em Prol da Tolerância), O Papão no Desvão (Caminho; com ilustrações de Yara Kono. Prémio Nacional de Ilustração), Para Maiores de Dezasseis(Caminho; seleccionado pela Biblioteca Internacional da Juventude para a Feira de Bolonha), O Galo que Nunca Mais Cantou (Caminho; prémio Maria Rosa Colaço). Depois de publicar Texas, Uma Aventura no Faroeste, publicou o álbum infantil Gato Procura-se, ilustrado por Yara Kono. O seu mais recente romante juvenil intitula-se Marcas e foi publicado pela Caminho em 2016. Os direitos dos seus livros já foram vendidos para: Brasil e Colômbia.

 Oficina de escrita criativa: Escrever para a Infância

“Tenho uma cave na minha infância, como todos temos uma cave, que pode ser no sótão ou ao fundo do jardim ou na minha cabeça ao adormecer.”
Ana Saldanha, Para o Meio da Rua

Nesta oficina de escrita criativa, proponho que vasculhemos essa cave, sótão ou fundo do jardim da nossa infância à procura de memórias. Depois de lhes limparmos o pó, vamos pô-las ao serviço da produção de um texto narrativo curto. As actividades de escrita autobiográfica proporcionam momentos de auto- conhecimento e podem ser simultaneamente pontos de partida para a criação de textos de ficção. Assim, após um breve debate sobre as implicações de escrever para e/ou sobre a infância, exploraremos o potencial criativo das nossas memórias através de exercícios orais. Essa partilha de recordações, genuínas ou imaginadas, constituirá uma reserva de ideias a explorar na fase seguinte, em que cada participante elaborará o seu texto. Por fim, os textos produzidos serão apresentados ao grupo e debatidos. A troca de impressões construtivas, espera-se, promoverá o aperfeiçoamento das
técnicas de envolvimento do leitor. Cada participante poderá posteriormente, em casa, trabalhar o seu texto e voltar a apresentá-lo ao grupo através de contactos por e-mail. Poderá assim criar-se uma comunidade virtual de escrita.

Vai Andarilhar por Beja em:

23 de agosto quinta-feira
15h00 OLHARES
Ana Saldanha | Miguel Horta:
“Leituras de alto risco”
Cafetaria do Pax Julia 
#

24 de agosto sexta-feira
15h30 – 17h30 EXPERIMENTAR | FRUIR #
Oficina de escrita criativa: Escrever para a Infância
Escola Secundária Diogo Gouveia

25 de agosto sábado
11h30 Ana Pessoa (escritora) | Ana Saldanha (escritora): Literatura Juvenil – essa terra incógnita
Auditório do Jardim Público #

# inscrição BOL